Vigia de Nazaré - Pará - BR.

Vigia de Nazaré - Pará - BR.
400 Anos de fundação

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Baile da Chiquita Bar do Parque 2010
















103 Anos da Banda União Vigiense


União Vigiense no Círio de Nazaré

O Clube Musical União Vigiense completou 103 anos de fundação, no dia 13 de maio. O evento aconteceu em sua sede própria, aonde reuniu alunos, familiares e simpatizantes para comemorar a data.
O Clube Musical "União Vigiense", em toda sua trajetória, sempre esteve presente nos mais variados eventos, seja em Vigia ou outas cidades. Foi a primeira Banda a integrar o Projeto de Interiorização implantada pela Fundação Carlos Gomes em 1990, além das participações no Círio de Belém do Pará, a banda já se apresentou nos Jogos Olímpicos de Sidney, na Austrália em 2002.
A “União Vigiense” conta com uma equipe de professores qualificados e graduados na área de educação musical, vem ao longo desse século contribuindo para o crescimento cultural no município de Vigia, sendo uma das bandas mais antigas, é hoje considerado patrimônio cultural da Vigia, conforme a Lei Municipal de nº108 de 15/02/2011. Parabéns a todos os músicos que integram a família “União Vigiense”.

terça-feira, 7 de maio de 2019

capas do ICabano.

Em comemoração aos 10 Anos do Informativo Cabano, aqui você confere as capas do jornal ao longo destes anos.



















sexta-feira, 29 de março de 2019

A evolução do Carnaval de Vigia


Carnaval da família vigiense

Começou como uma brincadeira, uma turma de amigos, passava maisena ou araruta, na cara e saiam pelas ruas batendo lata e dançando. Isso faz tempo, pois é! Bote décadas... Mas também faz décadas que existiu Rei Momo, Rainha e Princesa do Carnaval da Vigia. Nos áureos carnavais dos anos 50, quando os clubes promoviam os bailes de carnaval, tradição de outrora, com as bandinhas tocando as machinhas carnavalescas: “Tanto riso, oh! quanta alegria”; “Ó abre alas que eu quero passar”; “Mamãe eu quero, mamãe eu quero”; “Ei, você aí! Me dá um dinheiro aí!”; “Você pensa que cachaça é água”, e muitas outras que quase não ouvimos mais.
O carnaval vigiense passou a evoluir e ganhou fama de segundo melhor carnaval de salão nos anos 70, só perdendo para Belém do Pará. Sempre animado pelas bandinhas atraía os visitantes. À tarde, os blocos percorriam as ruas, à noite, a partir das oito, da noite, começava o baile nos salões dos clubes sociais. No decorrer da festa, a bandinha saía do clube para buscar os foliões que componham o bloco. Cada clube tinha sua bandinha e seu bloco.
Luzeiro Esporte Clube, Uruitá Esporte Clube e Pedreira Futebol Clube recebiam, em suas sedes sociais, os associados e simpatizantes, de coração, nos bailes de carnaval. Os referidos clubes eram rivais, mas apenas nas competições esportivas, porém, quando chegava o carnaval, os clubes, sempre, combinavam os dias de festas. A cada dia era para um clube. Afinal era carnaval, e não havia competição, e sim, diversão, alegria e muitas brincadeiras.
Com o passar do tempo, o carnaval sofreu muitas alterações, como: Os grandes concursos de fantasias, concursos das escolas de samba, abertura do carnaval, com a presença do Rei Momo, estes poucos se ouve falar. Atualmente os blocos de micaretas tomaram maior espaço nas avenidas, com relação, aos tradicionais blocos de sujos, agora ausentes nos carnavais. E as musicas, estas se misturaram com outros ritmos e letras, é o carnaval do século! Isso é muito relativo, pois muitas cidades matem o tradicional carnaval. Todavia a folia momesca é fruto da alegria e disposição física de cada um. Afinal cinco dias é coisa do passado. Em Vigia, depois do réveillon já é carnaval. Prova disso é a “Cagada do pinto” que logo no primeiro dia do ano e nas primeiras horas do dia puxa milhares de pessoas pelas ruas da histórica Vigia de Nazaré.
Agora, a Vigia de Nazaré não para mais. Mesmo com incidentes naturais e crise financeira ou política, a cidade lota nos seis dias de folia. O comércio aquece, as pessoas trabalham “horas extras” e embolsam um dinheirinho a mais. Seja da capital, do exterior ou de outros estados, o folião busca a época para visitar a cidade, rever os parentes e tomar uma cervejinha com os velhos amigos, sem falar na ânsia de saborear, uma gurijuba no caldo e molho de pimenta no tucupi, unha de caranguejo, tacacá e o famoso bolinho de gurijuba. É de matar a saudade e saciar a alma. Vale a pena gastar um trocadinho a mais e viver na “Cidade que não dorme”, a época carnavalesca mais gostosa do Pará, com alegria, segurança e muita paz.
Estamos entre os 144 municípios paraenses, e segundo os historiadores, o nosso é o mais antigo, ou seja, “Aqui começou o Para”. Além de termos o Círio mais antigo, também sustentamos o melhor e maior carnaval de rua. É o religioso e o profano de mãos dadas, em prol do melhor à “Vigilenga de heróis”. Pois uma coisa é certa, ambos são realizados com a ajuda e o respeito Da Família Vigiense. Viva a liberdade!





sábado, 9 de março de 2019

Vigia Carnaval 2019














A cidade de Vigia de Nazaré mantém o título do maior carnaval de rua do Estado do Pará, onde tem As Virgienses, o maior bloco de Rua do Estado. São homens vestidos de mulher com suas fantasias irreverentes, criativas e coloridas.